Image
Abril é Agora

ABRIL É AGORA

50 ANOS 1974-2024

 

A associação cultural CULTRA, em parceria com várias entidades do movimento associativo e cultural, grupos de teatro, cineastas, unidades de investigação académica e investigadores, ex-presas e presos políticos, ativistas sindicais e políticos do período revolucionário, mulheres e homens de todas as correntes da resistência antifascista e dos combates da Revolução, vai levar a cabo um largo conjunto do iniciativas para assinalar o cinquentenário do 25 de Abril e da Revolução portuguesa de 1974/1975.

Pretende-se desta forma, ao longo dos cinco anos que assinalarão o cinquentenário de Abril (2022 a 2026), lembrar a história da resistência à ditadura e ao colonialismo, convocar a memória e a atualidade desses dias de Revolução, de transformação e de esperança de onde brotou a democracia portuguesa. Homenagear os que lutaram e tombaram nos combates contra a exploração, contra a opressão, contra a guerra colonial, ou, como então se proclamava, “pelo o Pão, pela Paz, pela Terra, pela Liberdade e pela Democracia”.

Não se trata de uma nostalgia, de um suspiro de saudade. Menos ainda se trata de evocar um falso consenso vazio que desarme a força presente do passado, mas sim de lutar pela memória e de convocar a história para fazer face aos combates de hoje. Quando o neoliberalismo e a extrema direita lançam a sua sombra de regressão política, social, civilizacional e de reabilitação dos valores e práticas da ditadura salazarista e do colonialismo, num ataque frontal às conquistas de Abril. E fazemo-lo em solidariedade e intercâmbio com os povos da Europa e do mundo que hoje enfrentam a mesma ameaça de retorno à barbárie e a combatem.

Nesse sentido levamos os Debates de Abril às escolas, às associações, aos bairros e às empresas; organizamos visitas guiadas aos locais emblemáticos do mundo do trabalho, da habitação e da cultura popular; recorremos ao teatro e ao cinema que se debruçaram sobre o Portugal do salazarismo, da guerra colonial e das lutas emancipatórias de ontem e de hoje; preparamos exposições que circulem pelo país tratando dos temas de antes e depois de Abril; pedimos a estudiosos ou aos participantes nesses extraordinários acontecimentos que se reúnam em colóquios e conferências onde ajudem a pensar e a operacionalizar essa experiência; propomos aos criadores e artistas que livre e pluralmente a representem.

Porque é urgente. Porque Abril é agora.

Teaser Novíssimas Cartas Portuguesas

O julgamento das 3 Marias foi o primeiro momento do movimento feminista português com projecção internacional. Agitou as águas estagnadas da ditadura e foi um grito ensurdecedor para o mundo. Que impacto teve a obra pela qual foram julgadas? Quão diferentes são as nossas vidas hoje? No 50º aniversário do livro, o documentário Novíssimas Cartas Portuguesas celebra a obra, a coragem e as mulheres. Todas as mulheres. Documentário em exibição a 19 de novembro.
 

Em Movimento

Relato de uma visita à Alhandra operária e antifascista

15 Novembro 2022

No passado dia 5 de Novembro realizou-se uma visita a Alhandra, concelho de Vila Franca de Xira, e aos locais evocativos da sua história operária e antifascista. Memórias que visitas como esta pretendem reactivar e mobilizar para as lutas do presente. Por Carolina Mourão.

Visita guiada à Alhandra operária a 5 de novembro

2 Novembro 2022

No final do século XIX, Alhandra transforma-se no coração industrial do concelho de Vila Franca de Xira. O Abril é Agora lança-te o convite para uma visita guiada com Gil Gonçalves. Para participar é necessário inscrição. Há limitação de 30 participantes.

Abril é Agora homenageou Maria Teresa Horta

31 Outubro 2022

No passado sábado, a escritora e jornalista Maria Teresa Horta participou num tributo que lhe foi prestado pelo Abril é Agora, e que contou também com a presença de Helena Neves, sua amiga e colega de trabalho e ativismo na revista Mulheres, projeto que ambas encabeçaram no pós 25 de Abril.

Abril é Agora organiza tributo a Maria Teresa Horta no próximo sábado

27 Outubro 2022

Escritora e jornalista com mais de 60 anos de vida literária, Maria Teresa Horta faz da palavra luta contra o fascismo e pela Liberdade. A iniciativa, a realizar-se no Palácio Galveias, em Lisboa, pelas 15h, contará também com a presença de Helena Neves, resistente antifascista e ativista pelos direitos das mulheres.

José António Ribeiro Santos e a geração dos anos 60/70 em Portugal

12 Outubro 2022

Intervenção de Fernando Rosas na sessão inaugural da Conferência Internacional “Resistência juvenil, ditaduras e políticas de memória. O assassinato de Ribeiro Santos em 12 de Outubro de 1972”.

Conferência a 10 e 11 de outubro evoca 50 anos do assassinato de Ribeiro Santos

7 Outubro 2022

A iniciativa, organizada pelo IHC e CES, versará sobre as lutas juvenis contra as ditaduras do sul da Europa e da América Latina, juntando a memória e a investigação, os relatos vivenciais e a pesquisa.

Agenda

Subscreve a nossa Newsletter

Autorização de contacto

Os teus dados de contacto serão usados pelo Abril é Agora apenas para te manter atualizada/o sobre as nossas atividades.

Pela Lente de Abril

Funeral de José António Ribeiro Santos

A polícia de choque cerca a carrinha que transportou a urna funerária de José António Ribeiro Santos. Um conjunto de fotografias inéditas do funeral, da autoria de Zacarias Duarte Ferreira, foram doadas ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo para que figurassem na exposição «Nos 50 anos do assassinato de José António Ribeiro Santos», que estará patente no Edifício do Arquivo Nacional da Torre do Tombo de 7 de Outubro de 2022 a 10 de janeiro 2023.
Foto de Zacarias Duarte Ferreira, doada ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT) e reproduzida no site ribeirosantos.net

Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image