Debates de Abril nas escolas

Debates de Abril nas escolas

| 9 Maio 2022

Os Debates de Abril, promovidos pela CULTRA e com apoio da Transform, ocorreram, por todo o país, de janeiro a maio de 2022, integrados nas Comemorações Cidadãs do 50º aniversário do 25 de Abril. Por Luís Farinha.

Na base de um menu com seis temas, foi proposto a cerca de meia centena de escolas de todo o país que aceitassem receber convidados da CULTRA para debater com os alunos os temas propostos ou outros que viessem a propor, de acordo com os seus interesses e projetos pedagógicos.

A este convite, responderam 24 escolas, com as quais foi possível contratualizar 21 debates, todos eles realizados a contento das partes. Participaram nestes debates entre 1450 e 1500 alunos, maioritariamente do Ensino Secundário e do último ano do Ensino Básico.

De entre os temas propostos, as escolas escolheram, maioritariamente três, a saber: i) “Estado Novo, um Estado policial e repressivo” (6 debates); ii) “Eu passei pelas cadeias da polícia política” (6 debates); iii) “A longa história da desigualdade de direitos das mulheres. E agora, o que falta fazer?” (6 debates). Nenhum dos temas propostos deixou de ser tratado, havendo ainda a referir a resposta a uma Escola que propôs o tratamento do tema “Os jovens e a participação na vida política”

Os Debates de Abril nas Escolas foram ainda acompanhados de uma Exposição temporária: «O princípio do Fim”, que está circular por três escolas até ao final deste ano letivo.

Para estes Debates de Abril foram convidados 16 especialistas, entre historiadores/as, jornalistas, professores/as, ativistas e militantes da cultura e da política, ex-presos/as políticos/as ou sociólogos. Seguem os seus nomes: Graça Marques Pinto, Raimundo Santos, Mariana Carneiro, Fernando Rosas, Almerinda Bento, Helena Loureiro, Diana Andringa, Aurora Rodrigues, Luís Farinha, Hugo Monteiro, Ana Sofia Ferreira, Manuela Tavares, Miguel Cardina, Leonor Rosas, Joana Dias Pereira, Alfredo Caldeira

Os 21 debates realizados ocorreram em diferentes pontos do país (Lisboa, Almada, Amora, Seixal, Sintra, Coimbra, Montemor-o-Velho, Miranda do Corvo, Condeixa-a-Nova, Aveiro, Porto, Vila do Conde, Évora, Alverca, Mafra, Alcabideche (Cascais) e mobilizaram entre 1450 e 1500 alunos. A Exposição “O princípio do Fim”, inaugurada em 27 de abril na Escola Secundária Camões, tem assegurada a visita dos alunos das três Escolas em que vai estar patente, por intermédio dos seus professores.


Ver algumas imagens destas iniciativas aqui.


A organização nas Escolas esteve a cargo de professores, com a exceção da Escola Secundária Maria Amália Vaz de Carvalho, em que o debate foi organizado pela Associação de Estudantes.

Os Debates foram promovidos nas Escolas pela divulgação de um cartaz, executado por iniciativa da CULTRA e em todos os meios eletrónicos disponibilizados à CULTRA.

Foram rececionados de forma muito positiva pelas Escolas, o que ficou patente na avaliação que deles foi feita pelos intervenientes e pelo facto de, em alguns casos, ter ficado pré-agendado uma atividade deste tipo para o ano letivo de 2023. Na EPRAL (Escola Profissional do Alentejo), a sessão foi assistida diretamente por um grupo restrito de alunos e vista por todos os alunos da Escola, em simultâneo, através de um sistema de streaming.

Os Debates de Abril tiveram a coordenação direta de Luís Farinha, apoiado na logística por Filipa Gonçalves, na produção gráfica por Rita Gorgulho e na divulgação por Mariana Carneiro e Tomás Marques. Esta coordenação esteve sempre articulada com o Grupo Coordenador central do “Abril é Agora”: Fernando Rosas, João Mineiro, Miguel Cardina, Cecília Honório, Luís Farinha.


 

O coordenador

Luís Farinha

Lisboa, 9 de maio de 2022